EU SÓ TENHO 21 ANOS

Desde que eu aprendi a ler e escrever, mais ou menos aos 6 anos de idade, sempre ouvi de todo mundo que me rodeava o script da minha vida: eu teria que estudar, passar para alguma faculdade (de preferência federal), arrumar um bom emprego - estudar mais um pouco ou pra sempre - e ser rica. Isso tudo o mais rápido possível! Um caminho traçado bem provavelmente antes de eu nascer por uma geração que não fez exatamente isso, mas considera a única ponte possível para o sucesso. Um roteiro que vai atormentar mais algumas gerações depois da minha, antes das pessoas se tocarem de que às vezes nem todo mundo quer isso. Porque diabos eu tenho que ser bem sucedida antes dos 30? Alguém consegue me explicar o motivo de a minha vida ter que estar toda montada aos 20 e poucos anos quando eu ainda nem sei direito o que eu quero pra ela??? Outro dia eu li que as pessoas da minha idade dão mais valor a viagens e bens imateriais do que a comprar um carro ou uma casa. Talvez a gente tenha percebido que o que realmente vale a pena é o quanto você vive e não o quanto você acumula. Na época da minha avó, as meninas tinham que aprender os afazeres da casa e as manhas da cozinha porque só assim iriam arrumar um bom marido pra casar e ter filhos. Isso, claro, antes dos 20, afinal, ninguém queria "ficar pra titia". Em outros tempos, as famosas festas de 15 anos serviam para apresentar as filhas dos burgueses à sociedade e assim, atrair pretendentes para a moça que agora não era mais criança. Será que todas as meninas tinham instinto materno e queriam ser do lar ou é a minha geração que é problemática e gosta de polemizar tudo porque tem acesso a muita informação e isso atrapalha ao invés de ajudar? Porque o que eu ouço de "na minha época não existiam sites de pesquisa, a gente tinha que ir pra biblioteca procurar as coisas na Barsa" bem provavelmente se compara ao "the book is on the table" que os livros de inglês insistiam em escolher como frase principal. Desculpa se a tecnologia hoje é acessível pra qualquer pessoa e o mais perto que eu cheguei dessa enciclopédia foi ao vê-la empoeirada na estante. Desculpa se hoje existe uma enciclopédia virtual e as crianças quase nascem sabendo digitar. "Antigamente não era assim, tinha que ter aula de datilografia!" eu entendo, mas as coisas mudam o tempo todo. Eu tenho 21 anos e a minha sensação é de que a geração da qual eu faço parte, chamada de geração Z, tem que constantemente ficar se desculpando por ter mais chances que a anterior, a geração Y. Eu queria dizer que eu também sei procurar as coisas no dicionário de papel e não nasci sabendo digitar. Eu sou de 1995 e a gente não pegava pokémon pelo smartphone, quando eu tinha 10 anos ostentação era ter um celular que abria e fechava. A gente acordava de madrugada pra cuidar dos Tamagoshes e saía com vários pendurados na mão se sentindo o próprio Ash. Eu vejo tanta gente da minha idade frustrada com tudo e sinto que é porque a gente cresceu pra ser "O futuro", mas o futuro nunca chega pelo simples motivo de que quando se atinge algum ponto, sempre existe mais além e esse "mais além" é que é o futuro. Sabe quando o Pica-Pau segurava uma cenoura por uma vara de pescar na frente do Pé-de-Pano pra ele andar? Olha como a gente evoluiu e mesmo assim, isso parece não valer de nada: a gente aceita (pelo menos a maioria) toda forma de amor, luta pelas igualdades, milita nas redes sociais e também vai pras ruas como os nossos pais. A gente não sai do celular, é a geração dos memes e faz piada com tudo, não larga as redes sociais nem pra dormir e adora fazer um textão seja sobre romance ou política, eu tenho consciência disso, eu vivo isso. Mas quando foi que uma geração pôde saber sobre o mundo inteiro em apenas alguns cliques? Quando alguém pôde se inteirar sobre todas as versões de um mesmo fato e escolher o que acredita sem ser influenciado por alguma mídia? A única coisa que me vem à cabeça é que realmente quem não vive a pressão de ser o amanhã, não entende que se tudo está ao meu dispor, eu preciso experimentar tudo pra saber do que eu gosto e isso demanda tempo. Quando uma noiva está envolvida nos preparativos do casamento, dificilmente ela vai escolher o buffet e os docinhos porque alguém disse que aquele era o melhor. Ela provavelmente vai ouvir as opiniões, mas vai querer experimentar cada detalhe porque o casamento é dela e é ela quem tem que achar o que é melhor. Porque eu não posso ser como uma noiva escolhendo cada detalhe do casamento com a minha vida se eu tenho 20 e poucos anos e estudo desde os 2 anos de idade porque só assim eu poderia ter direito de escolha? Eu tenho a sensação de que as pessoas acham que por termos mais oportunidades escancaradas a nossa volta, a gente tem que escolher um caminho o mais rápido possível e não pode pestanejar, não pode voltar atrás, não pode ver que não é isso. Alguém já parou pra pensar que o proveitoso de ter tantas oportunidades é poder escolher qual se encaixa melhor pro que você quer - ou acha que quer - e poder experimentar cada uma sem a pressão que os seus pais tinham de crescer logo na vida? De que adianta a geração passada ter trabalhado tanto pra hoje colocarem uma viseira nos jovens e fazê-los acreditar que só se pode fazer uma escolha e segui-la pelo resto da vida? Vocês já ouviram alguma palestra de ensino médio? A gente quer ser feliz, a gente foi criado ouvindo que ser bem-sucedido é fazer o que se gosta e eu duvido muito que todos saibam exatamente o que gostam aos 20 anos. Eu sempre me envolvi em polêmicas. Gosto de água com gás e prefiro lasanha de microondas com a bordinha queimada a uma feita em casa, eu gosto de comida congelada, fast-foods e acho macarrão instantâneo uma invenção fenomenal. Sempre li sobre o feminismo, me interessei por política e tive a primeira parte do Ensino Fundamental regada de histórias como as de Villa Lobos e Chiquinha Gonzaga, todos ditos a frente do seu tempo. Desde sempre concordei que o aborto era uma alternativa viável e não falo isso porque eu já nasci. Acredito que a gente só aceita a dor do outro quando passa por alguma situação semelhante. Acho meritocracia uma utopia e já perdi namorados por ser a favor de cotas (por determinado tempo): não acredito que elas tenham que tapar um buraco eterno, mas sim que precisem existir enquanto se melhora a educação primária. Já morei em lugares onde as drogas eram quase legalizadas e nem por isso quis experimentar de tudo. Eu sei muito mais que um jovem da minha idade nos anos 80 e mesmo assim, isso é muito pouco pro que esperam de mim. Eu conheço tantos estudantes de medicina que já se aventuraram pelo direito ou engenharia e vão se formar aos 30 anos que começo a acreditar naquela frase que afirma que os 30 são os novos 20. Steve Jobs disse uma vez que as pessoas mais interessantes que ele conheceu não sabiam o que fazer da vida aos 22 anos de idade, disse também que alguns dos quarentões mais interessantes que ele conhecia, ainda não sabiam. Se o homem que mudou o mundo com a tecnologia acha desnecessário se sentir culpado por não saber o que fazer da vida quando ainda nem se viveu direito, porque diabos a gente, que vive mergulhado em suas criações, se sente tão culpado por isso?

QUEM SELECIONA É VESTIBULAR

Senta que lá vem história... Esses dias pra trás eu me encontrava ficando com um garoto gente boa, engraçado e bonito. O boy era tão bom que conquistou todas as minhas amigas... Como eu acabei de chegar na cidade e ele ainda tem o adendo de ser mais velho – a gente acha que idade é diretamente proporcional à maturidade, né mores? – resolvi apostar algumas fichas nessa história. Eu juro que até procurei saber mais sobre o rapaz antes de amadurecer a ideia de beijar aquela boca mais de uma vez. Lá fui eu atrás de informações sobre o dito cujo: “ele é um babaca” – disse uma amiga minha. “Não se apega, ele não presta” – disse um amigo dele. “Usa e cai fora, tem cara de ser moleque” – disse uma pessoa que não tem nada a ver com a história, mas todo mundo quer dar palpite na vida alheia, não é mesmo? PORÉM, entretanto, contudo, todavia, o que realmente me interessava àquela altura do campeonato era uma intrigante e seríssima questão: seriam aqueles dentes perfeitos moldados por anos de aparelho dentário ou teriam vindo assim do saco do pai dele? CALMA, NÃO SAI DA PÁGINA... FICA AQUI, FOCA EM MIM!!! Depois de ouvir muitas opiniões a respeito e chegar à conclusão de que o importante era realmente o belo sorriso que ele ostentava, descobri que o boy perfeito, trabalhador, que cursava a segunda faculdade, estava dando em cima da menina que há poucos dias ele havia taxado de louca e me aconselhado a manter distância. Imagina só, claro que a garota era doida, apaixonada nele e não queria vê-lo feliz com ninguém! Maluca, obviamente. Ele jamais daria em cima dela, logo ele, que “fica com quem ele quiser”. Talvez a minha amiga estivesse vendo coisa onde não tinha, afinal, ele só tinha sido simpático. Talvez eu estivesse ficando paranoica. Mas o baile segue. Continuei negando as aparências e disfarçando as evidências. Um belo dia, chegando numa festa com o bendito ao fruto, uma garota alheia na multidão que tomava conta do pub onde estávamos, me puxou pelo braço e sussurrou uma coisa que me deixou, no mínimo, intrigada. Dizia ela: “eu vi que você chegou com o fulano, mas ele estava ficando comigo. Só que como eu fiquei com um amigo dele, ele está tentando me fazer ciúmes com você...” O que pensar, né gente? OUTRA MALUCA, OBVIAMENTE! Coitado desse cara, rodeado de menina sem noção... Tá tão na cara que todo mundo quer esse ser humano maravilhoso e o coitadinho sofre por ser desejado demais que eu não sei como alguém ainda pode achar que o problema é ele. Acontece, meus amores, que a próxima “louca” é você. E acredita em mim, ele vai fazer de tudo pra te fazer parecer uma insana apaixonada. Ele vai querer discutir a relação (que nem existe) e vai se fazer de ofendido insinuando que você só quer usá-lo. Toma cuidado porque ele é mestre em fazer parecer que é você quem insiste em estar com ele. Não cai nesse jogo, é tudo parte de um teatro montando bem antes de você aparecer na vida desse rapaz! De que valem essas duas faculdades se ele é bom mesmo em teatro e encenação? Ele bate o pé, vira os olhos, cruza os braços, faz biquinho e quando o quesito é persuasão, deixa até o gato de botas no chinelo! Esse rapaz faz de tudo pra chamar atenção, é do tipo que fala mal da namorada do amigo pelas costas, mas na frente chama de “patroinha”. E pra coroar todo esse circo que ele faz questão de ser o protagonista, no picadeiro que chama de vida, o bom moço ainda arruma tempo pra discursar sobre moral e bons costumes (o velho papo de “faça o que eu falo, não faça o que eu faço”). Depois disso tudo, aquele sorriso que era maravilhoso, agora é apenas bonitinho e eu só contei essa história gigante pra vocês, pra dizer que quando um HOMEM não quer, ele chega e fala que não quer. Quando um MOLEQUE não quer, ele faz toda essa ceninha digna de Malhação porque na verdade, ele não gosta de ninguém – nem dele mesmo –, mas deseja a qualquer custo ser gostado. Não custa nada dar uma de ENEM e selecionar melhor com quem a gente se envolve, né? Fica a dica!

UMA BREVE CONVERSA SOBRE AMOR

Já faz um tempo que eu queria falar com vocês sobre amor, mas eu nunca sei por onde começar... Se eu perguntar hoje quem foi/é o grande amor da vida de vocês, tenho certeza que cês terão um nome na ponta da língua. Algumas estão namorando e acreditam que vão casar - ou já estão casadas - com a pessoa amada. (HOJE, esse texto não é pra vocês). Outras acreditam que vão amar pra sempre quem não quer mais estar ao seu lado. Umas se iludiram com alguém que nunca teve a pretensão de ficar e agora não sabem o que fazer com o sentimento que nutrem por essa pessoa... Vocês procuram ansiosamente por textos que digam que no futuro ele vai te notar, que o mundo vai girar, que talvez vocês tenham se encontrado cedo demais e etc. Vocês fazem simpatias, stalkeiam religiosamente todas as redes sociais da pessoa e se interessam por tarot, búzios, "profetas" ou qualquer coisa que diga aquilo que vocês querem ouvir. Semana passada eu li um texto maravilhoso que dizia que nem sempre ficamos com o amor de nossas vidas. Mas será mesmo que nós estamos fadados a amar apenas uma pessoa enquanto nosso coração bater? E aonde fica a graça de ter vivido vários amores e aprendido a ser melhor com cada um deles? Que coisa chata! Existe uma música que sempre foi o meu termômetro pra saber o que eu sentia, ela diz: "Você já amou como se não houvesse amanhã, aquele amor que quando bate, cê perde o medo da morte?" E eu amei. E eu perdi o medo da morte. E eu preferi a morte a ficar sem ele. Eu me mudei de cidade pra esquecer, eu mudei a minha vida acreditando que iria amá-lo pra sempre e por isso não seria capaz de vê-lo com alguém que o fizesse mais feliz que eu. Eu sofri mais do que era necessário (a gente sempre romantiza o sofrimento). Eu fiz as pessoas à minha volta o odiarem. Eu o odiei, o amei e o odiei de novo por ele não me amar como eu queria, como eu achava que deveria ser. E tudo isso pra hoje olhar pros olhos donos dos meus textos mais famosos e não sentir absolutamente nada. Será que eu não tenho vergonha na cara? Será que eu não sei amar? Ou será que o amor acabou a partir do momento em que eu fiz dele a minha obsessão? "Mas amor de verdade não acaba." Vejam bem, eu não o quero mal, só não o quero mais. Olhem pra vocês agora, parem tudo o que estiverem fazendo e olhem pra dentro, separem todos os sentimentos que estão dando um nó na cabeça de vocês, coloquem cada um em sua respectiva caixinha. Agora me respondam: Vocês amam mesmo a ponto de não conseguirem se amar pra seguir em frente ou é tudo culpa do maldito orgulho ferido que faz de vocês reféns de uma história que já acabou?

OS TIPOS DE CRUSH

Não sei vocês, mas eu tenho um sério problema em relação a homens, inacreditavelmente (será?) eu consigo gostar de todos os boys que aparecem na minha vida. Chega a ser engraçado, eu posso ter 4 crushs... Eu consigo sentir ciúmes de todos, discutir relação com todos, ficar na bad por todos e ainda assim, arrumar tempo pra todos... Claro que tem sempre aquele preferido, que é a prioridade... Eu não tenho doença de Chagas, mas meu coração também é grande e cabe todo mundo! PORÉM, entretudo, contanto, todavia, faço questão de separar os crushs que aparecem no lindo conto de falhas que chamo de vida, em várias categorias. E como eu sou muito legal, eis que as deixo aqui para que todas saibam identificar – e algumas vezes cair fora antes que dê merda. Crush Gato: é aquele boy que numa quarta à noite vem te procurar todo amorzinho, cheio de carinho pra dar, mas na verdade, todo esse afago é porque ele quer comer e você foi a refeição escolhida! Crush Rei do Camarote: sabe aquele boy que acha que pagando vários combos na baladinha top de sábado à noite, vai comer as minas? Pois é, vos apresento o nosso crush número 2, o Rei do Camarote. E o pior é que tem gente que se envolve com esses caras só porque eles mandam descer vodca na mesa........... Crush Instituto Butantã: ele ignora as suas mensagens e quando as responde é sempre seco, mas quando te vê toda linda e maravilhosa na balada, vem querendo dar o bote. Cai fora que é furada, acredita na miga aqui! Crush Estações do Ano: esse é o que eu menos gosto! Ele consegue ser todas as estações do ano em menos de um mês. Explico: quando você conhece esse rapaz, parece que a primavera chegou, tudo fica mais bonito, você sorri o dia inteiro (porque passa o dia inteiro conversando com ele), fica relendo as conversas que vocês tiveram e até tira print das partes mais importantes... Finalmente chegou a sua vez – você pensa! De repente, o boy é verão... As coisas ficam quentes, conversas por vídeo, mensagens calientes, fotos que não dá pra mostrar nem prazamiga (vai que elas ficam interessadas, né?). PORÉM, quando você acha que está tudo encaminhado, o crush – do nada – começa a visualizar e não responder as mensagens bonitinhas que você manda, tá sempre ocupado, o trabalho começa a tomar todo seu tempo e ele sempre tem que estudar – ou fazer qualquer outra coisa que não inclua estar falando contigo e aí, pá! Chega a fase inverno... Agora ele nem parece aquele cara que vivia te fazendo sorrir pelos cantos, não curte mais suas fotos e provavelmente nem lembra que você existe. As mensagens? Vish, ele nem faz questão de visualizar... Mas de repente ele te procura e começa tudo novo de novo! Segura que lá vem a primavera... Se eu posso te dar um conselho, dê um fora nesse crush antes que ele acabe com o seu psicológico. Crush Amigo da Onça: esse é o mais comum, é aquele seu amigo que você acha que não te quer. Ele ouve seus dramas, te dá conselhos sobre os outros crushs e até conta algumas coisas da vida dele. Vocês são amigos, você tem certeza disso. ABSOLUTAMENTE ELE NÃO TE QUER, mas se você quiser... Ele quer! Crush Doença de Chagas: sabe aquele cara que ama todo mundo? É o típico homem que tem amor1, amor2, amor3 (e por aí vai) salvos nos contatos. Rei dos contatinhos, todas as garotas acham que vão mudá-lo com seu amor, mas se você se apaixonar, ele cai fora porque não está na mesma vibe e não quer te machucar. Abre o olho, provavelmente ele dá em cima de você e da sua amiga! Crush Amanco: é aquele boy que você ainda não decidiu o que quer com ele. Tem épocas que você fica super encanada, stalkeia, quer contar sobre o seu dia, faz dele a última pessoa que você fala antes de dormir e a primeira quando acorda. Você definitivamente só pensa nele! De repente, você desencana, não responde mais as mensagens e só fala com ele de vez em quando pra fazer uma média... Um tempo depois vocês ficam e você encana mais uma vez, desencana, encana de novo e por aí vai... Crush “QUE?”: sabe aquele boy que ninguém entende porque você está com ele e se você parar pra pensar, nem você sabe, MAS adora ficar com ele. Todo mundo pergunta o que você viu no rapaz e a única coisa que você pode fazer é abstrair e fingir demência porque não existe resposta pra isso. QUE?! Crush Colírio da Capricho: é aquele moço lindo, maravilhoso, que todo mundo quer. Todas as suas amigas o acham lindo, até os amigos dele admitem que ele é “boa pinta”, mas os dotes do cara param por aí. Ele beija mal, não tem pegada e seus papos dão preguiça, MAS você continua pegando porque ele é muito gato (e no fundo, cê tem a esperança de que ele aprenda do babado) e azinimiga morrem de inveja! Crush Boi Marcado: todo mundo tem esse crush! Quando cê não tem nada pra fazer é só mandar mensagem porque você sabe que ele sempre está disponível. É com ele que você termina a noite na baladinha que não rendeu nada... Ele é o seu “boi marcado”, se não rolar nada melhor, todo mundo sabe que é com ele que você vai ficar. Mesmo sendo última opção, a gente não divide com azamiga, tem que pastar só no meu cercado! Crush Troco Likes: esse curte todas as suas fotos e você curte as fotos dele também, de vez em quando ele te manda um direct com algum elogio bonitinho e você retribui. Às vezes vocês até trocam os números de celular, rola um “bom dia” e/ou “boa noite”... PORÉM, nunca passou disso, se você o encontra em algum barzinho da vida, rola no máximo um aceno meio tímido e só. A impressão que a gente tem é que o crush não existe fora da internet! Crush Lixão: ele só fala e faz merda, PORÉM, o maldito tem uma pegada que te faz sair de órbita e um beijo tão maravilhoso que dá vontade de beijar pra sempre. Até porque se ele parar de usar a boca pra beijar e começar a falar, a gente brocha na hora, né não? Crush Me Ensina: que atire a primeira pedra quem nunca teve uma queda pelo professor! Queda não, tem professor que vale um salto de paraquedas inteiro! Você poderia ficar horas ouvindo aquele homem tão inteligente, charmoso e vivido, falando de coisas que você finge que escuta enquanto imagina uma vida junto a ele... De vez em quando você até faz uma pergunta sobre a matéria porque é importante que ele te note, não é mesmo? Esse crush também pode ser aquele boy inteligente que te encanta quando começa a falar de assuntos que você nem sabia que existiam ou aquele rapaz que estuda contigo e sempre te ensina a matéria de um jeitinho que ninguém mais saberia fazer! Crush Carteira Assinada: quem nunca foi mais arrumadinha na lanchonete porque o atendente era um gato????? A gente até acorda mais cedo um pouquinho pra passar uma maquiagem e colocar uma roupinha ~~básica~~ pra comprar pão na padaria da esquina, né? Dá até vontade de pedir pro seu Zé assinar sua carteira só para passar o dia todo ao lado daquele boy que parece ter saído diretamente dos seus sonhos... Crush Secreto: é aquele cara que você acha maravilhoso, mas não conta pra ninguém porque o que ninguém sabe, ninguém estraga. Vocês até ficam esporadicamente, mas é nítido que não vai passar disso, às vezes alguém vem falar sobre o quanto ele é gato ou inteligente (ou qualquer outra coisa) e você se faz de desentendida... “Quem? Ah, ele? Não acho nada demais não...” Crush Ovelha Negra da Realeza: quando você conhece esse crush, ele é um príncipe. Todo mundo que vê, acha que ele é um príncipe. Suas amigas tem certeza que você encontrou um príncipe. Você realmente acredita que ele é um príncipe! Mas aí, máscara de príncipe começa a cair e você descobre que ele é um babaca que adora aparecer tentando se fazer de superior aos outros. No fim, sente vergonha alheia de si mesma por um dia ter trocado saliva com esse indivíduo. Crush Uber: aquele que acha que só porque tem carro e dá carona, as meninas tem que dar pra ele. Meu amor, você deu carona porque quis, ok? Lógico que tem os caras amorzinhos que são pra casar e não se encaixam em nenhuma das alternativas acima. Eu, particularmente, não acho que existam... Ouso dizer que ou essa espécie está em extinção ou eles fazem a linha disco voador: a gente não sabe se existe ou não, mas sempre aparece alguém pra dizer que viu!

ANO NOVO

Eu sei que essa época do ano é a mais clichê possível: galera que reclamou horrores que agosto não acabava é a mesma que tá postando que o ano voou; gente que foi babaca o ano inteiro tá aproveitando a melancolia das festas de fim de ano pra tentar fazer as pazes com o mundo; o pessoal “good vibes” tá postando tanta “gratidão” que daqui a pouco as frôzinhas vão começar a subir de novo; ozamigos já tão comprando as bebidas pro réveillon; e eu ainda tô aqui decidindo se fico aliviada pelo ano que passou ou ansiosa pelo ano que já tá batendo na porta. É lógico que eu queria estar escrevendo esse texto em New York, passando frio depois de andar o dia inteiro pelas ruas enfeitadas vendo a neve cair e falando “merry christmas” pras pessoas como no ano passado (ano passado eu também queria), mas como não rolou, vamos ao que interessa: Esse ano foi difícil pra todo mundo (menos pra Anira, porque né... Inclusive, alguém sabe a cor da calcinha que ela usou no réveillon passado??) E parece que 2018 também não vai ser nada fácil... Como nessa época do ano a gente costuma colocar na balança as coisas boas e ruins que aconteceram ao longo dessas 53 semanas concluídas, eu queria deixar registrado aqui (pra vocês e pra mim) alguns conselhos sobre o que eu aprendi com a vida e com os memes. Atenção: * Rupturas são necessárias. Nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra maneira, até mesmo os menores detalhes... Não adianta ficar se martirizando tanto com o terrível “e se eu tivesse...”. Aconteceu o que deveria ter acontecido e o que nos resta é aprender a lição e seguir em frente. * Finais são, normalmente, uma porta para a liberdade. Vamos PARAR de achar que finais são ruins! Se alguma coisa acabou em nossas vidas é porque precisamos disso para nossa evolução... É inútil depositar energia em algo que já morreu! É melhor sair, seguir em frente e se enriquecer com a experiência. Com o tempo uma coisa que é “MEU DEUSSS” ao deixar de ser alimentada, se torna “ATA”. * Se permita morrer algumas vezes. Nós não temos que ser fortes o tempo todo, NINGUÉM consegue ser forte o tempo todo. Um exemplo ótimo é quando um casal termina o relacionamento e os dois sofrem se stalkeando, mas não se excluem das redes sociais porque consideram “infantilidade”. Bloqueia SIM, exclui o número, muda de caminho, não frequenta mais aquele bar e nem relê mais aquelas conversas. NADA DISSO é infantilidade, da nossa dor é só a gente que sabe, se permita senti-la... Minha avó já dizia que o que arde costuma curar. * Se concentre em fechar seus ciclos sem tentar adivinhar o que vem depois... Os novos caminhos se traçam naturalmente. Tudo começa e termina na hora certa, nem antes, nem depois, apenas quando estamos prontos para iniciar um novo ciclo em nossas vidas é que as coisas acontecem. * Aprenda a se amar. Se alguém perguntasse o que cê mais ama no mundo, quanto tempo você demoraria para citar a si mesmo??? Todo mundo tem defeitos e qualidades, nós somos humanos e não robôs... Quem gosta de ti, vai gostar das suas virtudes e entender as suas fraquezas. Amor próprio é o mais importante dos amores porque quando você tá sozinha às 3 da manhã chorando e querendo que tudo acabe, a única pessoa que vai estar lá pra você é você. VOCÊ tem que se levantar e encontrar forças pra continuar porque no fim das contas, você é tudo o que você tem! * Ouça os seus desejos. Daqui a 30 anos você vai estar muito mais decepcionado pelas coisas que não fez do que pelas que você fez. * Pare de procurar sinal em tudo, se a pessoa demonstra não se importar é porque ela simplesmente não se importa. Não adianta você conhecer o amor da sua vida se ele já tem o amor da vida dele! O mundo tem 7 bilhões de pessoas, você vai encontrar alguém legal. * Entenda que a pessoa que vem é a pessoa certa. Absolutamente ninguém entra em nossas vidas por acaso, todos que interagem conosco tem algo para nos ensinar e aprender. As pessoas chegam no momento em que nós precisamos que elas estejam lá, mas depois que cumprem seu papel, algo pode acontecer para levar essa relação ao fim. Às vezes elas morrem, às vezes apenas se vão, às vezes elas agem e nos forçam a tomar uma decisão. O que devemos entender é que o que tinha para ser ensinado/aprendido já foi e agora é hora de ir! Tem gente que chega pra ficar e tem gente que vem só de passagem. * Nós não somos máquina de resiliência. A gente cresce ouvindo que perdão é bonito, altruísta e de fato é, mas não precisa perdoar se você não consegue. Não tem problema nenhum em ficar longe de alguém que te feriu, te humilhou e/ou te infernizou. A gente precisa de saúde emocional, não de um Nobel da Paz! Por fim, eu desejo a vocês fé. Acho que a vida fica mais leve quando acreditamos em alguma coisa que tire a responsabilidade das nossas mãos e nos conforte de alguma forma, tem gente que chama de destino, Deus, lei da atração, forças do universo e etc. Apenas tenham fé! Que nós nunca nos esqueçamos que não vamos agradar todo mundo. Nunca. E essa é uma conclusão libertadora! Se você está agradando todo mundo, provavelmente o único insatisfeito é você, aproveita que o ano é novo e vamos rever isso aí...
Close